terça-feira, 16 de janeiro de 2018

George Gruntz - “Percussion Profiles”


George Gruntz
“Percussion Profiles”
JAPO Records

Jack DeJohnette – Drums, Cymbals, Gongs.
Pierre Favre – Drums, Cymbals, Gongs.
Fredy Studer – Drums, Cymbals, Gongs.
Dom Um Romao – Drums, Cymbals, Gongs.
David Friedman – Flat Gongplay, Vibraphone, Marimba, Cymbal.
George Gruntz – Gongs, Keyboards, Synthesizer, Cymbal.

1 – Movement 1 – 7:45
2 – Movement 2 – 6:22
3 – Movement 3 – 4:50
4 – Movement 4 – 5:40
5 – Movement 5 – 18:45
6 – Movement 6 – 2:22

Duração: 45:49
Ano: 1978
Edição: LP

George Grunz é um desses nomes cuja vida esteve inteiramente ligada à música e muito especialmente ao jazz, não só como músico e compositor, mas também como divulgador e organizador do famoso Festival de Jazz  de Berlin, também conhecido como o JazzFest Berlin (1972-1994). Ao longo da sua vida tocou com nomes grandes do jazz, como Dexter Gordon, Chet Baker, Roland Kirk e Don Cherry, só para referir alguns e um dia surgiu-lhe a ideia de gravar este álbum intitulado "Percussion Profiles", tendo convidado cinco nomes incontornáveis na área da percussão para com ele tocarem  e com a ajuda desse outro criador chamado Robert Paiste (o famoso nome do criador dos melhores pratos que se encontram para uma bateria, tendo fabricado os famosos pratos de Jack DeJohnette, que foram desenhados pelo baterista norte-americano e que produzem aquele som que o celebrizou), que irá produzir este fabuloso álbum.
Recorde-se que o músico suiço George Gruntz nos deixou em 2013, mas nunca é demais recordar a sua Arte e o seu trabalho como divulgador dessa música sem fronteiras que é o jazz.
Gravado a 20 de Setembro de 1977 no Wally Heider Studios, Los Angeles, por Biff Dawes. Misturado por Georg Scheuermann e Manfred Eicher. Fotografia de Patricia Willard. Design de Barbara Wojirsch. Produção de Robert Paiste. Todos os temas foram compostos e são dirigidos por George Gruntz.
O tema 1 oferece-nos solos de Pierre Favre e Jack DeJohnette. O tema 2 tem um dueto entre Dave Friedman e George Gruntz. O tema três oferece-nos solos de David Friedman e George Gruntz e o tema 5, o mais extenso, é composto por solos de Dom Um Romão, David Friedman, Jack DeJohnette, Pierre Favre e Fredy Studer.

Henri Le Sidaner - "Place de La Concorde"


Henri Le Sidaner
"Place de La Concorde", 1909.
Óleo sobre tela.

Dave Liebman - “Lookout Farm”


Dave Liebman
“Lookout Farm”
ECM Records

Dave Liebman – Soprano Saxophone, Tenor Saxophone, Flute.
Richard Beirach – Electric Piano, Acustic Piano.
Frank Tusa – Electric Bass, Acustic Bass.
Jeff Williams – Drums.
John Abercrombie – Acustic Guitar, Electric Guitar.
Don Alias – Congos, Bongos.
Armen Halburian – Percussion.
Badal Roy – Tabla.
Steve Sattan – Tambourine, Cowbell.
Eleana Sternberg – Voice.

1 – Pablo’s Story – 14:08
2 – Sam’s Float – 8:47
3 – M.D./Lookout Farm – 24:00

Duração: 46:55
Ano: 1974
Edição: LP/CD


Mas uma vez o saxofonista e flautista David Liebman irá surpreender o universo do jazz com este "Lookout Farm", onde um fabuloso elenco de músicos nos oferece uma viagem única por territórios ainda muito pouco explorados por esta música sem fronteiras, sendo de referir o facto de uma das composições preencher a totalidade de um lado do disco de vinil, algo que na época estava a ser utilizado como símbolo de liberdade de todos os seus intervenientes e algo que nos dias de hoje, neste século XXI, se revela infelizmente invulgar. Gravado nos dias 10 e 11 de Outubro de 1973, no Generation Sound Studios, por Tony May e remisturado por Martin Wieland. Produzido por Manfred Eicher. Design de B & B Wojirsch. Fotografia de Nele Moor. Todos os temas foram compostos por David Liebman. Como este músico/compositor assina os álbuns em que surge de duas formas: Dave Liebman e David Liebman, optámos por considerar o nome de David Liebman para as etiquetas, mantendo no entanto o nome optado pelo músico para cada álbum de forma individualizada. Este trabalho discográfico marca também o surgimento do guitarrista John Abercrombie na ECM Records, uma associação que se irá prolongar por mais de quatro décadas. A edição de “Lookout Farm”, em cd, apenas surgiu no Japão, até à presente data.

Constantin Korovine - "Boulevard des Capucines"


Constantin Korovine 
"Boulevard des Capucines", 1911.
Óleo sobre tela.

Art Ensemble of Chicago - “Nice Guys”


Art Ensemble of Chicago
“Nice Guys”
ECM Records

Lester Bowie – Trumpet, Celeste, Bass Drum.
Roscoe Mitchell – Alto Saxophone, Soprano Saxophone, Flute, Piccolo Flute, Oboe, Clarinet, Gong.
Joseph Jarman – Tenor Saxophone, Alto Saxophone, Soprano Saxophone, Clarinet, Flute, Conch, Vibraphone, Gong, Whistle, Vocals.
Malachi Favors Maghostut – Bass, Melodica, Percussion.
Famoudou Don Moye – Drums, Bells, Horn, Congas,Timpani, Marimba, Bongos, Chimes, Gong, Conch, Whistle, Wood Block, Cowbell, Percussion.

1 – Ja (Lester Bowie) – 8:39
2 – Nice Guys (Roscoe Mitchell) – 1:41
3 – Folkus (Don Moue) – 10:59
4 – 587-59 (Joseph Jarman) – 6:43
5 – CYP (Roscoe Mitchell) – 4:49
6- Dreaming of The Master (Joseph Jarman) – 11:40

Duração: 44:31
Ano: 1979
Edição: LP/K7/CD

Como muito bem indica o título deste álbum, trata-se de "tudo bons rapazes", não os do filme de Martin Scorsese, mas sim os membros de uma das bandas de jazz mais inovadoras algumas vez surgidas no universo musical: The Art Ensemble of Chicago, que encontraram na ECM Records o mais perfeito divulgador da sua Arte Musical! Gravado em Maio de 1978 no Tonstudio Bauer, Ludwigsburg, por Martin Wieland. Masterizado por Henry Riedel. Design de Barbara Wojirsch. Fotografias de Dani Lienhard, Isio Sabo e Roberto Masotti. Produção de Manfred Eicher.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Tomasz Stanko - “Balladyna”


Tomasz Stanko
“Balladyna”
ECM Records

Tomasz Stanko – Trumpet.
Tomasz Szukalski – Tenor Saxophone, Soprano Saxophone.
Dave Holland – Bass.
Edward Vesala – Drums.

1 – First Song (Tomasz Stanko) – 7:42
2 – Tale (D.Holland/T.Stanko/E.Vesala)– 3:32
3 – Num (Edward Vesala) – 7:15
4 – Duet (Dave Holland/Tomasz Stanko) – 2:58
5 – Balladyna (Tomasz Stanko) – 8:01
6 – Last Song (Tomasz Stanko) -  6:04
7 – Nenaliina (Tomasz Stanko) – 5:29

Duração: 41:01
Ano: 1976
Edição: LP/CD


Gravado em Dezembro de 1975 no Tonstudio Bauer, Ludwigsburg, por Martin Wieland. Design de Sascha Klein. Produzido por Manfred Eicher. O álbum “Balladyna” foi o primeiro trabalho discográfico do trompetista polaco Tomasz Stanko para a ECM Records, que desde então tem gravado regularmente para a editora de Munique, criando ao longo dos anos, uma fraseologia musical onde a melodia possui direitos de primazia.

Luigi Loir - "Quai Bourbon"


Luigi Loir - "Quai Bourbon", s/data.
Óleo sobre tela, 55,9 x 47,5 cm.

Enrico Rava - “Quotation Marks”


Enrico Rava
“Quotation Marks”
JAPO Records

Enrico Rava – Trumpet.
Rodolfo Mederes – Bandoneon. (temas 1,3,4, 5)
Herb Bushler – Bass. (temas 2,6,7)
El Negro Gonzalez (Jorge Gonzalez) – Bass. (temas 1,3,4,5)
Jack DeJohnette – Drums. (temas 2,6,7)
Nestor Astarita – Drums. (temas 1,3,4,5)
John Abercrombie – Guitar. (temas 2,6,7)
Ricardo Lew – Guitar. (temas 1,3,4,5)
Warren Smith – Marimba, Percussion. (temas 2,6,7)
El Chino Rossi (Miquel Rossi) – Percussion. (temas 1,3,4,5)
Ray Armando – Percussion. (temas 2,6,7)
Matias Pizarro – Piano. (temas 1,3,4,5)
David Horowitz – Piano, Synthesizer. (temas 2,6,7)
Jeanne Lee – Vocals. (temas 2,6,7)
Finito Bingert (Hector Bingert) – Tenor Saxophone, Flute, Percussion. (temas 1,3,4,5)

1 – Espejismo Ratonera – 6:13
2 – Short Visit To Malena – 3:55
3 – Sola – 5:26
4 – San Justo – 8;50
5 – Water Kite – 6:24
6 – Quotation Marks / Naranjales – 7:38
7 – Melancolia de Las Maletas – 9:55

Duração: 48:21
Ano: 1974
Edição: LP/CD


Este álbum de Enrico Rava tem a particularidade de o descobrirmos a tocar com duas formações bem diferentes, reflexo do seu trabalho no interior do jazz, mas que por outro lado nos permite confirmar uma certa homogeneidade, embora os dois quartetos sejam constituídos por músicos oriundos de continentes bem diferentes e até de "planetas musicais" distantes, surgem aqui em perfeita harmonia através dessa ponte ou "auto-estrada da galáxia" feita pelo trompete de Enrico Rava. Embora se encontre um pouco esquecido, este "Quotation Marks" merece, mais do que nunca, ser relembrado e descoberto!
Gravado em Dezembro de 1973 no Blue Rock Studios, New York, por Jane… (tracks 2,6,7), com os músicos Enrico Rava, Herb Bushler, Jack DeJohnette, John Abercrombie, Warren Smith, Ray Armando, David Horowitz e Jeanne Lee. Produção de David Horowitz e Jack Tafoya. E gravado em Abril de 1974 no Audio Studio, Buenos Aires, por Nello (tracks 1,3,4,5), com os músicos Enrico Rava, Rudolfo Mederes, El Negro Gonzalez (Jorge Gonzalez), Nestor Astarita, Ricardo Lew,El Chino Rossi (Miquel Rossi), Matias Pizarro e Finito Bingert (Hector Bingert).
Todos os temas foram compostos por Enrico Rava, excepto os temas 1 e 3 da autoria de Enrico Rava e Fernando de Santa Fé. “Short Visit to Malena” e “Quotation Marks” tem letra de Mario Trejo e o tema “Naranjales” é tradicional, com arranjos de Enrico Rava.
Três dos músicos que surgem no álbum “Quotation Marks” de Enrico Rava utilizam “variações” nos seus nomes: Jorge Gonzalez surge creditado como El Negro Gonzalez; Miquel Rossi opta pelo nome de El Chino Rossi; Hector Bingert assina como Finito Bingert. E até na capa do álbum, em vez de Enrico Rava, temos simplesmente Rava.

Maximilien Luce - "Le Quai Saint-Michel et Notre.Dame de Paris"


Maximilien Luce 
"Le Quai Saint-Michel et Notre-Dame de Paris", 1901.
Óleo sobre tela, 73 x 60 cm.

John Ford – “A Taberna do Irlandês” / “Donovan’s Reef”



John Ford – “A Taberna do Irlandês” / “Donovan’s Reef”
(EUA – 1963) – (109 min./Cor)
John Wayne, Lee Marvin, Elizabeth Allen, Jack Warden, Cesar Romero, Dorothy Lamour, Marcel Dalio.
Filme do dia: Canal ARTE

Pode ver aqui o trailer desta bela película realizada por John Ford.

”A Taberna do Irlandês” / “Donovan’s Reef” surge na filmografia de John Ford entre dois “westerns” de primeira água: “O Homem Que Matou Liberty Valance” / “The Man Who Shot Liberty Valance” e “O Grande Combate” / “Cheyenne Autumn”, e certamente por serem dois filmes trágicos: o primeiro a tragédia de um homem, no segundo a tragédia de uma nação, esta película, rodada nos Mares do Sul e com um filme irmão em “O Homem Tranquilo” / “The Quiet Man”, bem merece ser redescoberta, porque estamos perante uma das mais deliciosas comédias realizadas pelo cineasta irlandês, que mais uma vez conta com a presença do amigo John Wayne neste maravilhoso filme, onde a história de três amigos do período da Segunda Grande Guerra se cruza com a vida de três crianças e um segredo bem guardado. Pelo meio iremos conhecer uma galeria de personagens inesquecíveis e situações memoráveis, como essa comemoração Natalícia digna de figurar numa antologia cinematográfica, sobre a respectiva quadra, que recentemente comemorámos!
Nunca é demais referir que os filmes apresentados neste canal franco-alemão respeitam sempre o formato original e quase sempre são exibidos em cópias restauradas, embora alguns sejam dobrados para francês.

domingo, 14 de janeiro de 2018

Claude Monet - "Au Parc Monceau"


Claude Monet - "Au Parc Monceau", 1878.
Óleo sobre tela. -  Colecção Particular.

Paul Bley - “Ballads”


Paul Bley
“Ballads”
ECM Records

Paul Bley – Piano
Gary Peacock – Bass
Mark Levinson – Bass
Barry Altschul – Drums

1 - Ending (Annette Peaaccock) – 17:15
2 – Circle (Annette Peacock) – 3:10
3 – So Hard it Hurts (Annette Peacock) – 12:12

Duração: 32:37
Ano: 1971
Edição: LP/CD


Este trabalho "Ballads" de Paul Bley revela-se na verdade um álbum de Annette Peacock, um nome que bem merece ser redescoberto, não só como interprete, mas também como compositora. Os temas ”Circle” e “So Hard It Hurts” foram gravados em 31 de Março de 1967, já o tema “Ending” foi registado a 28 de Julho de 1967, por Tommy Nola e David Baker, no Nola Studios, New York City. Produzido por Paul Bley e tendo como Produtor Executivo Manfred Eicher. Todos os temas do álbum “Ballads” são da autoria de Annette Peacock. Gary Peacock toca apenas no tema “Ending” e Mark Levinson surge nos temas “Circle” e “So Hard It Hurts”.

Giuseppe de Nittis -"La Porte Saint-Denis"


Giuseppe de Nittis - "La Porte Saint-Denis", s/data.
Óleo sobre tela. - Pinacoteca Provinciale, Bari.

Steve Swallow - “Home”


Steve Swallow
“Home”
ECM Records

Steve Swallow – Bass.
Sheila Jordan – Voice.
Steve Kuhn – Piano.
Lyle Mays – Synthesizer.
David Liebman – Saxophones.
Bob Moses – Drums
Robert Creeley – Lyrics (Poems)

1 – Some echoes – 5:35
2 – “She Was Young…” – 3:31
3 – “Nowhere One…” – 4:58
4 – Colors – 4:21
5 – Home – 3:21
6 – In The Fall – 3:58
7 – “You Didn’t Think…” – 2:53
8 – Ice Cream – 4:15
9 – Echo – 5:21
10 – Midnight – 3:42

Duração: 42:16
Ano: 1980
Edição: LP/CD

Steve Swallow após as diversas colaborações com Carle Bley e Michael Mantler decidiu também ele explora esse filão que reúne a poesia com o jazz e foi assim que nasceu este álbum intitulado "Home", no qual ireos descobrir a poesia de Robert Creeley pela voz de Sheila Jordan. Por outro lado temos uma banda constituída por músicos originários de diversas correntes no interior do jazz, que no entanto conseguem oferecer e criar uma música profundamente homogénea através da escrita de Steve Swallow, estamos a falar de Lyle Mays, membro fundador do Pat Metheny Group, de Bob Moses habitual colaborador de Gary Burton, de Steve Kuhn e Sheila Jordan cujas cumplicidades são por demais evidentes e até David Liebman ficou fascinado por esta aventura, tendo decidido participar nela, tornando este álbum de Steve Swalloe uma verdadeira jóia, bem diferente, no interior da sua discografia. Gravado em Setembro de 1979 no Columbia Recording Studios, New York, por David Baker. Misturado por Martin Wieland. Fotografia da capa do álbum de Joel Meyerowitz. Desegn de Barbara Wohirsch. Produção de Manfred Eicher. Musica de Steve Swallow para os poemas de Robert Creeley:“She Was Young…”, “Nowhere One…” e “YouDon’t Think…”, incluídos no livro “The Finger”. Todos os restantes temas foram compostos por Steve Swallow.

Frederick Childe Hassam - "Montmartre"


Frederick Childe Hassam - "Montmartre", 1889.
Óleo sobre tela. - Colecção Particular.

Woody Allen - “Através da Noite” / “Sweet and Lowdown”


Woody Allen - “Através da Noite” / “Sweet and Lowdown”
(EUA – 1999) – (95 min./Cor)
Sean Penn, Samantha Morton, Uma Thurman, Anthony LaPaglia.
Filme do dia: AXN Black

Pode ver aqui o trailer do filme, que possui uma banda sonora fabulosa!

Não me recordo do primeiro filme que vi numa sala de cinema, mas em meio-século de cinema foram milhares os filmes que vi e revi e ainda hoje continuo a descobrir belas películas nesse écran mágico, tantas vezes transferido para o écran de televisão e gosto de partilhar essas descobertas, tal como outros fizeram comigo, através dos mais diversos meios e aos quais estou profundamente agradecido e assim, após umas férias dos filmes, no “Manuscristos da Galaxia – A Memória do Cinema”, retomamos a sugestão do filme do dia no pequeno écran em novos moldes, oferecendo sempre que possível o trailer e uma pequena nota a acompanhar.

Por outro lado nunca iremos repetir a sugestão, porque são tantos os filmes disponíveis que a escolha pode ser difícil, embora por vezes neste trigo cinematográfico disponível pela televisão por cabo se encontre cada vez mais joio. Esperamos que gostem e para começar sugiro um dos mais belos e “secretos” filmes de Woody Allen, com o célebre cineasta a oferecer a Sean Penn uma das suas mais brilhantes interpretações, na figura do guitarrista de jazz Emmet Ray e o seu encontro com a jovem Hattie (uma inesquecível Samantha Morton), que nos parte o coração com a sua fragilidade e amor por um homem que idolatra, o genial guitarrista Django Reinard, mas que se vê sempre envolvido em sarilhos nesses conturbados anos trinta, na América, onde os gangsters ditavam tantas vezes a lei.

sábado, 13 de janeiro de 2018

Dollar Brand – “African Piano”


Dollar Brand
“African Piano”
JAPO Records

Dollar Brand – Piano.

1 – Bra Joe From Kilimanjaro – 11:23
2 – Selby That The Eternal Spirit Is The Only Reality – 1:55
3 – The Moon – 8:08
4 – Xaba – 0:44
5 – Sunset In Blue – 4:26
6 – Kippy – 5:02
7 – Jabulani Easter Joy – 2:06
8 – Tintinyana – 4:38

Duração:
Ano: 1973
Edição: LP/CD


Dollar Band, pianista e compositor sul-africano nascido a 9 de Outubro de 1934 em Cape Town, África do Sul, assina também alguns dos seus trabalhos discográficos com o nome de Abdullah Ibrahim, recorde-se que o seu nome verdadeiro é Adolph Johannes Brand e quando escutamos este "African Piano", sentimos precisamente as raízes africanas do pianista a expandirem-se de forma perfeita, ao longo dos diversos temas, transformando este álbum numa verdadeira pérola da sua discografia. Gravado ao vivo a 22 de Outubro de 1969 no Jazz-Hus Montmartre, Copenhagen. Design de Armin Becker. Fotografia de Ib Skovgaard Petersen. Produção da JAPO Records. Todas as composições são da autoria de Dollar Brand. O álbum “African Piano” de Dollar Brand teve uma reedição em cd de alta qualidade efectuada pela ECM Records na sua série Re:Solutions.

Constantin Korovine - "Café Parisien"


Constantin Korovine - "Café Parisien", 1910.
Óleo sobre tela.

OM - “Rautionaha”


OM
“Rautionaha”
JAPO Records

Christy Doran – Guitar.
Bobby Burri – Bass.
Fredy Studer – Drums, Percussion.
Urs Leimgruber – Soprano Saxophone, Tenor Saxophone, Bass Clarinet, Percussion.

1 – For Ursi (Christy Doran) – 9:49
2 – Stephanie (Bobby Burri)– 11:56
3 – Song For My Lady (Urs Leingruber) – 11:11
4 – Rautionaha (Bobby Burri) – 13:41

Duração: 46:37
Ano: 1977
Edição: LP


Esta banda, liderada pelo guitarrista irlandês Christy Doran, deu nas vistas ao longo da década de 70/80 no interior desse género musical designado como jazz de avant-garde e nunca será demais referir que uma das fontes de inspiração de Christy Doran foi a música do guitarrista Jimi Hendrix. Ao escutarmos a discografia desta banda, percebemos de imediato que cada peça incluída nos seus álbuns é um caso singular e vive de forma autónoma, um pouco como muitos anos depois o célebre Ryuichi Sakamoto irá fazer em alguns dos seus trabalhos discográficos, mas onde se encontra no final da audição uma certa homogeneidade, porque todos os círculos se transformam num só. Recordar a música dos OM é uma aventura verdadeiramente gratificante! Gravado em Dezembro de 1976 no Tonstudio Bauer, Ludwigsburg, por Martin Wieland. Layout de Dieter Bonhorst. Fotografia da capa do álbum de Lajos Keresztes. Fotografia de Andreas Raggenbass. Producão de Thomas Stowsand.

Armand Guillaumin - "Quai de Bercy, effet de neige"


Armand Guillaumin
"Quai de Bercy, effet de neige"
Óleo sobre tela. 1873 - 1874

Paul Motian Trio - “Le Voyage”


Paul Motian Trio
“Le Voyage”
ECM Records

J. F. Jenny-Clarke – Bass.
Charles Brackeen – Tenor Saxophone, Soprano Saxophone.
Paul Motian – Drums, Percussion.

1 – Folk Song For Rosie – 9:53
2 – Abacus – 7:16
3 – Cabala / Drum Music – 6:09
4 – The Sunflower – 8:48
5 – Le Voyage – 11:12

Duração: 43:18
Ano: 1979
Edição. LP/K7/CD


Este é o formato de trio de jazz preferido por Paul Motian, que aqui lidera o grupo, depois de durante décadas ter acompanhado o trio de Bill Evans e Keith Jarrett. "Le Voyage" marca também o segundo encontro do saxofonista Charles Braçkeen com Paul Motian, depois do álbum "Dance", que abriu as portas para o célebre baterista explorar de forma bem original este formato de trio de jazz. Gravado em Março de 1979 no Tonstudio Bauer, Ludwigsburg, por Martin Wieland. Design de Dan Lienhard. Fotografia da capa do álbum de Tadayuki Naitoh. Produção de Manfred Eicher.Todos os temas são da autoria de Paul Motian.
O álbum “Le Voyage” do Paul Motian Trio foi reeditado em cd na série “Old and New Masters”, após o falecimento de Paul Motian, box-set ECM 2260/65, sendo esta caixa de 6 cds constituída por gravações que abrangem um período temporal que vai de 1972 a 1984, incluindo os álbuns “Conception Vessel”, “Tribute”, “Dance”, “Le Voyage”, “Psalm” e “It Shoul’ve Happened a Long Time Ago”.

Gotthardt Kuehl - "Les Quais de Paris"


Gotthardt Kuehl - "Les Quais de Paris", 1880.
Óleo sobre tela.

Gary Burton / Steve Swallow - “Hotel Hello”


Gary Burton / Steve Swallow
“Hotel Hello”
ECM Records

Gary Burton – Vibraharp, Organ, Marimba.
Steve Swallow – Bass, Piano.

1 – Chelsea Bells (for Hern) (Steve Swallow) – 4:25
2 . Hotel Overture + Vamp (Steve Swallow) – 3:39
3 – Hotel Hello (Steve Swallow) – 5:24
4 – Inside In (Michael Gibbs) – 2:43
5 . Domino Biscuit (Steve Swallow) – 1:56
6 – Vashkar (Carla Bley) – 5:58
7 – Sweet Henry (Jack Gregg/Steve Swallow)– 4:02
8 – Impromptu (Gary Burton/Steve Swallow)– 2:29
9 – Sveeping Up (Steve Swallow) – 5:24

Duração: 36:00
Ano: 1975
Edição: LP / CD

Um dos mais belos encontros entre dois músicos, cujas afinidades são por demais conhecidas e que aqui nos oferecem um belo álbum de duetos, que bem merece ser redescoberto, sendo essencial para isso a sua reedição em cd, para todos usufruírem deste álbum incontornável na discografia de Gary Burton e Steve Swallow.  Gravado nos dias 13 e 14 de Maio de 1974 no Aengus Studio, Fayville, Mass. Por John Nagy e misturado por Martin Wieland. Layout de B & B Wojirsch. Fotografia da capa do álbum de Nick Passmore e Walter Urbanowicz. Fotografias de Paul Maks. Produzido por Manfred Eicher.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Stephan Micus - “Till The End of Time”


Stephan Micus
“Till The End of Time”
JAPO Records

Stephan Micus – Harp, Reeds, Zither, Guitar, Vocals.

1 – Till The End of Time – 17:30
2 – For Wis and Ramin – 18:06

Duração: 35:36
Ano: 1978
Edição: LP/K7/CD

Se um dia alguém me pedir para mencionar um nome de um músico dessa área a que alguém decidiu um dia designar de "New Age", esse nome é precisamente o do alemão Stephan Micus que, desde meados dos anos setenta do século xx, tem vindo a construir um monumento musical, através das suas composições, tendo por base música escrita a partir de instrumentos tradicionais das mais diversas partes do universo, incluindo alguns com vários séculos de existência. A forma como ele os introduz, jogando com as sonoridades e criando uma beleza musical, que muitas vezes nos conduz à meditação, faz de Stephen Micus um caso raríssimo no mundo da música, que bem merece ser descoberto. Gravado em Junho de 1978, no Tonstudio Bauer, Ludwigsburg, por Martin Wieland. Layout de Dieter Bonhorst. Fotografia da capa do álbum de Gerda Daum. Produção de Manfred Eicher.

Frederick Childe Hassam - "Paris au crépuscule"


Frederick Childe Hassam - "Paris au crépuscule", 1887.
Óleo sobre tela. Colecção Particular.

Ken Hyder’s Talisker - “Land of Stone”


Ken Hyder’s Talisker
“Land of Stone”
JAPO Records

Ken Hyder – Drums.
John Lawrence – Bass.
Marcio Mattos – Bass.
David Webster – Alto Saxophone.
John Rangecroft – Tenor Saxophone, Clarinet.
Ricardo Mattos – Soprano Saxophone, Tenor Saxophone, Flute.
Brian Eloy – Vocals.
Frankie Armstrong – Vocals.
Phil Minton – Vocals.
Maggie Nichols – Vocals.

1 – The Strathspey King / The Men of Barra Know How To Drink, But The Woman Know How To Sing – 8:38
2 – Close The Window and Keep It Down – 3:34
3 – See You At The Mission, Eh, If It’s Nofull – 6:16
4 – Derek Was Only a Barris – 5:43
5 – Pibroch in Three Parts – 19:20
     A – For the Mac Crimmons.
     B – For John Coltrane.
     C – For Albert Ayler.

Duração: 43:31
Ano: LP
Edição: 1977


Ken Hyder é um baterista escocês que teve a particularidade de fundir a música tradicional com o jazz, algo que o saxofonista Jan Garbarek também já fez com resultados brilhantes, e no caso de Ken Hyder, que na década de setenta do século passado fundou a banda Talisker, os resultados foram surpreendentes, como se poderá verificar ao escutarem este álbum intitulado "Land of Stone". Gravado em Abril de 1977 em Londres, por Martin Wieland. Misturado no Tonstudio Bauer, Ludwigsburg por Martin Wieland. Layout de Dieter Bonhorst. Fotografia de Lajos Keresztes. Produção de Thomas Stowsand. Todos os temas foram compostos por Ken Hyder.